Capítulo 30 – Você tem um interruptor emocional em suas mãos

Tradução: Vinícius Silva – abril/2009
Original: http://www.emofree.com/palace/palaceof11.htm

IMPORTANTE: Você pode copiar, replicar, divulgar e imprimir o conteúdo desta página desde que os links, autores, tradutores, contatos, endereços e websites sejam mantidos.

Se desejar a versão em PDF para download (167 páginas, formato A4), você pode comprá-la clicando no link abaixo por apenas R$ 4,90, assim você mantém uma cópia desses artigos no seu computador para ler a hora que quiser.

Palácio das Possibilidades para download Ebook Palácio das Possibilidades em formato PDF para download

Olá a todos,

Cuidado! Eu posso manipular suas emoções à vontade.

Eu posso mudar o seu estado emocional de alegria para tristeza em questão de segundos e então reverter isso momentos depois. Além disso, você está praticamente indefeso contra meus poderes. O único modo de verdadeiramente evitar o que eu posso fazer é evitando a mim mesmo. O que eu quero dizer com isso é para você não ouvir o que eu digo e não ler o que eu escrevo. Esta é sua única defesa verdadeira.

Como pode ver, está em minhas mãos o seu interruptor emocional que é capaz de colocar sua consciência em qualquer direção que eu quiser, o que, curiosamente, você permite alegremente. Eu não sou o único com acesso a esse interruptor. Você tem acesso a ele também. Todo mundo tem. Este interruptor é nossa linguagem – as palavras que usamos. A maioria de nós não está consciente do que fazemos com elas.

As palavras são rotineiras para nós. As usamos aos montes todos os dias, mas não pensamos muito a respeito de como elas moldam as nossas vidas de forma constante e poderosa. Elas, literalmente, ditam nossos estados emocionais. Não? Você acha que não? Então leia abaixo…

“Eu me sinto tão sozinho(a). Estou num beco sem saída, desesperado(a), depressivo e doente. Este mundo desolado está cheio de violência e ódio. A vida é um poço. É só o que você faz enquanto espera pra morrer. Roubaram minha infância e desde então eu venho sendo rejeitado(a). Eu não tenho nenhum valor, sou um inútil, sem esperança, triste e carente.”

Agora leia novamente – desta vez mais devagar – e preste atenção em como se sente quando lê aquelas palavras “depressivas”.

Agora compare esses com os sentimentos que tem quando lê o que se segue abaixo…

“Hoje é um dia espetacular. Maravilhoso e cheio de possibilidades. Eu mal posso esperar para ver quais oportunidades aparecerão. A vida é divertida e cheia de sorrisos e estímulos. Ela é mágica. Estou inspirado(a), energizado(a), me sinto imbatível e abençoado(a) por estar vivo(a).”

O último parágrafo, é claro, é muito mais animador de ler. Já parou pra pensar o porque? Obviamente, ele contém mais palavras de ânimo. Mas o que acontece para que essas palavras nos dêem esse sentimento positivo e animador? Mesmo porque essas palavras são feitas de pequenas marcas no papel (ou na sua tela de computador) e às vezes essas pequenas marcas parecem todas iguais. A palavra “gruesome” (horrível), por exemplo, é bem parecida com “awesome” (maravilhoso). Mas, provocam sentimentos completamente diferentes, POR QUÊ?

 

Quando escutamos uma palavra precisamos primeiro “internalizá-la” para podermos entender seu significado de forma completa. A palavra “avião”, por exemplo, não significa muita coisa a não ser quando fazemos a representação mental dela. Isso é sutil, eu sei, mas é como se nosso sistema perguntasse, “O que significa esta palavra?” e, num instante, a palavra é internalizada no nosso sistema ganhando um significado. Nós temos que, literalmente, experimentar internamente a palavra para que esta possa ter seu completo significado para nós.

Nós internalizamos palavras de acordo com os escritos em nossas paredes, isso explica porque a mesma palavra tem um impacto emocional diferente para pessoas diferentes. A palavra “Hittler”, por exemplo, terá um impacto emocional totalmente diferente em um sobrevivente do Holocausto do que teria em uma criança, estudante de história, de 12 anos de idade e que não seja judia. A palavra “escravo” traz emoções diferentes para um cidadão Afro-Americano do que traria para um Caucasiano. Outros exemplos são “Jesus”, “Câncer” e “Sexo”.

Desse modo, os parágrafos anteriores que pedi que vocês lessem tem seu conteúdo emocional proveniente das palavras que possui. Para que vocês entendam estes parágrafos vocês precisam internalizar todas as palavras e o sentimento resultante é um reflexo de como estas palavras internalizaram-se no sistema de vocês.

Vocês literalmente, e de um modo mais simples, “experimentaram” cada uma daquelas palavras.

A influência das palavras está por toda parte. Palavras de todos os tipos aparecem na TV, no rádio, em livros, revistas e por aí vai. Elas estão nas nossas conversas do dia-a-dia (incluindo as com clientes), e estão constantemente sendo internalizadas por nós. Já esteve perto de uma pessoa que “rouba suas energias”? Gostaria de saber por quê? Preste atenção em suas palavras, são do tipo que drenam energia. Para entender essas pessoas, precisamos internalizar as palavras que usam (do tipo depressão, feio, ódio, etc.) e, conforme fazemos isso, nosso estado emocional despenca ladeira abaixo para o mesmo nível desesperado, desolado, patético, destas pessoas emocionalmente esgotadas que são as que falam tais tipos de palavras. (oh ugh!! algumas partes eu não gosto de escrever).

Por outro lado, preste atenção nas palavras de motivação que são usadas por pessoas que te inspiram. Elas estão vivas. São vibrantes, entusiasmam, apóiam e a apaixonam. Elas Tocam o Mundo e nos ajudam a curar. Elas são alegres. Elas trazem consigo, prazer e perdão. Eu conheço um escritor e palestrante, por exemplo, que usa a palavra “maravilhoso” e outras, igualmente inspiradoras, de forma proposital e freqüente durante sua palestra. Por que? Porque ele sabe que estas palavras edificantes são amáveis, motivacionais e energizadoras. As pessoas as internalizam e respondem de acordo. Ele está escrevendo agora uma série chamada Palácio das Possibilidades. Leia esta série de vez em quando e veja a preponderância de boas palavras que ele escolhe usar.

As palavras que usamos são interruptores emocionais muito efetivos. Elas trazem alegria ou debilidade dependendo de como são usadas. E isso não é apenas com as palavras que lemos e ouvimos. As palavras que falamos possuem uma importância particular. Além disso, as palavras que falamos habitualmente são espelhos de nossos estados emocionais centrais. Trataremos disso na próxima vez.

Abraços, Gary.

Comentários estão fechados